APIs
10
min de leitura
7 de abril de 2020

Quais impactos um aumento sazonal de demanda pode trazer para sua arquitetura de integração e como se preparar?

Lucas Ferrari
Solution Architect
Ajudando os arquitetos de soluções a projetar e implementar arquiteturas baseadas em API para que possam modernizar sua camada de integração e fornecer uma plataforma escalável em ecossistemas digitais.
Mais sobre o autor

A grande maioria dos projetos de tecnologia (e outras áreas) começam com planejamento e previsibilidade de uso dos canais, produtos ou serviços que serão comercializados. Essas estimativas são o parâmetro base para a fundamentação de toda a arquitetura, e de acordo com a sazonalidade esperada, os componentes são provisionados com base em uma necessidade, considerando até mesmo contingência para picos de consumo.

Sabemos que o avanço das infraestruturas em nuvem permitem auto-escalabilidade e uma elasticidade bastante satisfatória para a maioria dos cenários, no entanto, quando o fator humano entra nas variáveis, é evidentemente incerto a proporção que esse volume pode tomar caso haja um aumento sazonal motivado por uma causa imprevisível durante o planejamento do projeto.

Mudanças comportamentais na forma de consumir produtos e/ou serviços geram impacto não somente nos estoques e na disponibilidade de atendimento, mas também nos canais que provisionam essas ofertas. Essa mudança de hábitos impacta diretamente no padrão com que as empresas trabalham suas ofertas e produtos, e também a forma que estão estruturadas para atender à costumeira demanda.

Levando esse cenário para o mundo de tecnologia, temos arquiteturas definidas para sustentar um certo tipo de comportamento e carga, e uma mudança drástica nesse padrão pode levar a um colapso na excelência do atendimento ao cliente final.

Por exemplo, um aumento da sazonalidade de pedidos nos canais digitais (sites e aplicativos móveis) de uma empresa, permeiam por todas as camadas de arquitetura até chegar no produto ou serviço de fato. A partir do momento que essas solicitações aumentam no canal de entrada, existe um longo caminho até que essa interação se conclua, e isso quer dizer que não apenas as aplicações precisam ser refatoradas, mas também os mecanismos de integração que garantem que o cliente vá chegar até o produto ou serviço que essa empresa digital está oferecendo.

Essas integrações são representadas, na maioria das vezes, por APIs, que fazem a interface entre os canais digitais e os sistemas que processam os pedidos desses clientes. Para que todo esse fluxo seja suportado, é fundamental que existam peças de arquitetura tecnológica que garantam a estabilidade e a escalabilidade dessa solução, e é nesse contexto que entra uma plataforma de gerenciamento de APIs, também conhecido como API Management.

Evidentemente essa não é uma tecnologia inovadora e disruptiva, que foi criada para estancar demandas sazonais, essa é uma tecnologia já consolidada que pode ajudar nesse cenário, se utilizada adequadamente.

E como tirar proveito de uma ferramenta como essa de forma rápida e eficiente para se prevenir de uma indisponibilidade gerada por um aumento da sazonalidade?

Existem algumas medidas simples que podem ajudar na estabilidade e na escalabilidade dos serviços que uma plataforma de APIs suporta, como por exemplo o uso de Rate Limit, que atua como um controlador de tráfego para requisições que chegam e saem através de uma rede com aplicações integradas.

Outro componente importante em uma estratégia de disponibilidade e eficiência é o cache, que pode reduzir consideravelmente a quantidade de solicitações (repetidas e de baixa volatilidade) que são processadas nos sistemas internos, antes de devolver a informação para o canal digital.

Além desses componentes preventivos de comportamentos indesejados, tais como sites e aplicativos em queda ou lentidão, uma plataforma API também pode auxiliar no monitoramento e alerta de problemas potenciais, através de dados analíticos que são trabalhados em tempo real e podem servir como input para a decisão de estratégias comerciais, tais como a retirada de um produto ou serviço que esteja tendo um impacto negativo sobre o comportamento do aplicativo, além de enviar alertas às equipes de operações antes que um incidente grave ocorra.

Essas e outras medidas, trabalhadas adequadamente em sua camada de integração, podem evitar um colapso nos seus sistemas internos, além de sustentar a disponibilidade dos canais digitais que são muitas vezes, a única porta de entrada para seu negócio. E você, já utiliza essas ou outras práticas em sua camada de integração? Comente!

Obrigado pela leitura!