APIX
5
min de leitura
31 de agosto de 2022

Entenda o conceito de plataforma para o setor de seguros

Hecktor Colombo
Content Creator
Analista de marketing. Especialista em criação de conteúdo para blogs, redes sociais, websites e produtora de textos jornalísticos. Especialista em Marketing e Jornalismo na Estácio de Sá, no Rio de Janeiro.
Mais sobre o autor

Já parou para pensar em todas as situações nas quais você precisou contratar um seguro? Para seu celular, casa, automóvel, saúde, viagens, comércio. Estes são apenas alguns exemplos de onde uma seguradora pode atuar. Por isso, a discussão sobre modernizar a área é um dos principais pontos na atualidade.

A tendência é de que todos os setores estejam conectados, principalmente pelo universo Open. Logo, é importante que tanto as seguradoras mais tradicionais quanto insurtechs estejam sempre atentas a essas movimentações, para acompanhar e se adaptar ao rumo dessa nova realidade e garantir a proteção dos usuários em todas as jornadas possíveis.

E foi este o tema abordado no painel do APIX 2022 intitulado “O caminho para o mercado de Seguro como plataforma”, com a presença de Daniel Rosa, CIO na Sompo, e Leonardo Lourenço, managing director na Simple2U.

O painel mostrou que diversos setores do mercado perceberam a necessidade de desenvolver seus negócios para ambientes mais digitais e que a ideia de integrar sistemas e migrar de uma arquitetura legada para um modelo moderno, como o de microsserviços, se tornou o objetivo principal de setores como o financeiro, da saúde, varejo e, consequentemente, o de seguros.

Segundo Leonardo, as seguradoras precisam se encaixar nos novos caminhos de integração através de plataformas. “O mercado de seguros precisa estar atento a diversos setores, como o de transportes, agro, no consumo de varejo e entretenimento. Se todos estes segmentos estão no processo de integração, o setor de seguros precisa acompanhar de perto esse movimento.”

Dentro dessa discussão, foram abertas duas possibilidades para a definição do uso de plataformas para o setor de seguros:

  1. Definição de plataforma como um modelo plugado em jornadas externas, através de uma conectividade avançada para dar apoio aos usuários de forma simplificada e ágil;
  1. Conceito de plataforma como algo interno a partir da visão de como se estruturar para ter uma seguradora com produtos adaptáveis e ágeis para novos modelos que possam surgir.

Além disso, ao trazer o conceito de embedded insurance, presente mais na realidade de insurtechs, para a ação em tempo real no processo de compra do consumidor, foi possível traçar um paralelo com o que é feito em seguradoras mais tradicionais, como a Sompo.

“Criar uma seguradora dentro da Sompo, que trabalhe por demanda, é impossível. Porém, a nossa flexibilidade acontece a partir do momento em que nos tornamos plugáveis, através das APIs, com parceiros que já tenham um omnichannel pronto, criando uma camada de isolamento entre o sistema legado que já temos com o que queremos prover no processo de compra e venda”, explicou Daniel.

Quer assistir o painel completo e saber mais como as APIs estão transformando negócios? Clique aqui!

Obrigado pela leitura!