Black Friday
10
min de leitura
29 de julho de 2020

Como impactar os negócios com a monetização de APIs

Eduardo Arantes
ABM Content & Communication
B2B marketer focado em tecnologia e transformação digital, ajudando a fornecer informações úteis sobre estratégias digitais e oportunidades de negócios para diversos setores.
Mais sobre o autor

Hoje em dia, ter uma estratégia API é importante para qualquer grande empresa. Garantir uma arquitetura baseada em APIs que seja ágil e escalável certamente proporcionará benefícios que impactam diretamente as perspectivas financeiras das empresas. Isto pode ser relacionado principalmente à redução de custos.

Por outro lado, os APIs permitem mais do que apenas economia de custos. Elas permitem explorar um novo canal de receita e compõem o "portfólio de produtos" da empresa. Estamos falando da Monetização de APIs, que basicamente gera receitas a partir de APIs através de seu consumo direto, seja por parceiros ou consumidores finais. Vamos descobrir alguns dos modelos de monetização de API que podem ajudar sua empresa.

Primeiros passos: Planeje sua estratégia de monetização de APIs

Pode parecer óbvio, mas este ponto é essencial para sua estratégia de monetização do API. Há vários modelos que podem ser utilizados, e todos eles devem respeitar uma única premissa: o valor de seus APIs. Observe que valor é um termo subjetivo, portanto o que pode ser valioso para você pode não ser para os desenvolvedores, e o mais importante: o oposto também pode ser verdade!

Uma vez estabelecido o valor de sua API, o primeiro passo é torná-la disponível. Um Portal do Desenvolvedor é essencial. Lá você fornecerá a documentação necessária, o registro do usuário e outros conteúdos relevantes sobre suas APIs. Este portal garantirá que todas as informações importantes sejam comunicadas e ajudará a acelerar o processo onboarding .

Modelos mais comuns de monetização API

Para orientar nossa discussão e torná-la mais objetiva, usaremos as APIs do Google Maps como referência. Devido a sua ampla utilização em diversas aplicações, o Google estabeleceu uma série de planos baseados no uso, que são adequados para diferentes perfis. Naturalmente, a maioria das outras APIs não terá este nível de complexidade no preço, mas estes exemplos podem inspirar seu negócio.

Plano mensal

Para os desenvolvedores que já têm aplicações estabelecidas e um alto volume de APIs do Google Maps habilitadas, há um único plano de pagamento mensal sem limites. Neste caso, são cobrados US$ 200 pelo uso ilimitado das APIs.

Pague apenas pelo que você usa

Também conhecido como "Pay as you go", este modelo de preço é de acordo com o volume de uso de suas APIs. Neste caso, um preço fixo é cobrado toda vez que uma API é ativada, e no final de um período todos estes eventos são contados. Outra forma de fazê-lo é fornecendo pacotes com preço fixo, para que os desenvolvedores possam escolher a opção que melhor se adapte às suas necessidades.

Freemium e Tiered

Se tivéssemos que resumir a estratégia de preços do Google com as APIs do Mapas, com certeza ela estaria nesta categoria. Muitos recursos são gratuitos, e para acessar recursos mais avançados, as tarifas começam de US$2 para 1.000 chamadas, até US$30 para 1.000 chamadas. Este modelo é muito interessante, pois pode ser uma das propostas de valor de sua API, ou seja, os recursos básicos são gratuitos, e aqueles que agregam mais valor são cobrados. Além disso, também é possível pagar por recursos em categorias específicas, separados por dispositivo ou recursos que variam entre Mapas, Rotas e Localizações. Outra possibilidade é uma solução de Jogo para jogos de Realidade Aumentada.

Transaction fee

Outra forma de obter receita através de APIs é cobrar uma porcentagem para cada transação. Este modelo é um pouco mais restrito a alguns tipos de negócios, pois dependeria do preço de cada transação em particular. Tipicamente, eles são utilizados pelos setores financeiros que negociam moedas para maior transparência sobre o quanto pode ser cobrado.

Acontece o contrário?

Pode parecer loucura, mas as empresas que têm APIs estratégicas e um modelo de negócios que depende de seu consumo às vezes compartilham parte da receita com os desenvolvedores. Esta é uma estratégia recomendada para os estágios iniciais, como uma forma de incentivar o uso. Aqui listamos 3 categorias desta prática:

Revenue share

O modelo mais simples consiste em que os desenvolvedores recebam uma porcentagem da receita proveniente do uso de suas APIs, como uma taxa para recompensar o uso e a promoção de seus recursos. Esta categoria pode estabelecer um limite, ou estar sempre vinculada ao uso, de modo que quanto mais ela for utilizada, mais receita cada lado receberá.

Affiliate

Esta modalidade é semelhante às práticas de anúncios do Google. Basicamente, ela consiste em espaços em websites que pertencem aos ecossistemas API. Custo por aquisição, custo por clique e compra de espaço são os modelos de compensação mais comuns.

Monetização indireta

Quando falamos de monetização da API, temos alguns modelos de referência, mas alguns métodos secundários devem ser considerados. Não é apenas através do volume de chamadas que é possível gerar receitas através de APIs. Atualmente, muitas empresas oferecem APIs como um produto em sua força de vendas, ou seja, APIs são oferecidas como uma solução para compor um mix de ofertas. Este cenário é comum nos estabelecimentos comerciais, por exemplo, para complementar os terminais de pagamento. Em paisagens cada vez mais digitais, e com compras feitas através de canais digitais, o POS (Point of Sales) deu espaço para pagamentos digitais, via link ou QR Code, por exemplo. Assim, os APIs oferecidos como produtos começam a fazer sentido e se tornam uma parte chave do portfólio, não mais confiando apenas nos desenvolvedores para promovê-los.

Marketing e inteligência de negócios

99,999% dos C-lvls sonham em ter um negócio baseado em dados para a tomada de decisões. No entanto, em muitos casos, é difícil coletar e processar todos esses dados. Neste contexto, as APIs podem realmente ajudar seu negócio através da análise de acesso, por exemplo. Imagine que você tem um aplicativo para seu e-commerce. Através das APIs é possível monitorar os picos de acesso, bem como medir em tempo real os impactos de uma campanha. Se a campanha funcionasse em uma segunda-feira às 20h em um grande canal de televisão, e minutos depois houvesse um pico de acesso, bom trabalho! Sua campanha foi um sucesso e você pode ver o comportamento do cliente em seu website, se ele completou sua compra ou deixou itens no carrinho.

Embora não seja um modelo que gere receita direta, esta estratégia pode economizar muito dinheiro ou até mesmo identificar oportunidades de receita que outros concorrentes não conseguem ver. Isto mostra como as APIs estão diretamente relacionadas à receita de sua empresa e podem ajudar o negócio direta ou indiretamente.

Para o sucesso de sua monetização API, é necessário considerar itens como disponibilidade, segurança, monitoramento, conveniência, valor, promoção e engajamento para os desenvolvedores. Além disso, a gestão de acesso e análise de tráfego são importantes para garantir a segurança e monitorar a saúde de suas APIs. Também é importante ter referências de mercado para entender quais os meios que proporcionam um ROI mais rápido. Há especialistas que podem orientar sua empresa nessas viagens, oferecendo ferramentas e equipes especializadas que entenderão e aplicarão as melhores práticas em seu negócio.

Obrigado pela leitura!