Event Driven
6
min de leitura
5 de março de 2020

Events Hub: como e por quê uma Perspectiva Orientada a Eventos pode ajudar muito a sua empresa

Eduardo Arantes
ABM Content & Communication
B2B marketer focado em tecnologia e transformação digital, ajudando a fornecer informações úteis sobre estratégias digitais e oportunidades de negócios para diversos setores.
Mais sobre o autor

Para que Event Driven Architecture?

Uma Arquitetura Orientada a Eventos (EDA – Event Driven Architecture) utiliza de mudanças de estado (eventos) para disparar comunicações assíncronas e é comum em aplicações modernas baseadas em microsserviços. Como eventos, podemos descrever ações específicas dentro de um contexto que são importantes para o negócio, como por exemplo o momento em que o cliente adiciona um produto ao carrinho em um e-commerce. Notamos aqui que essa ação é tratada como um momento, a detecção é feita de maneira instantânea e não precisamos de um ciclo request/response para validação, desonerando recursos computacionais para a operação.

Segundo o Gartner, até 2020 (ou seja, logo) ter uma visão proveniente de eventos e que seja em tempo real será uma característica necessária para 80% das soluções de negócios digitais, além disso, 80% dos novos ecossistemas de negócios exigirão suporte para o processamento de eventos. Dessa forma, soluções direcionadas a Eventos, Event Driven Architectures and Async APIs (cobrimos tudo isso neste artigo) estão crescendo cada vez mais.

Algumas tecnologias emergentes dependem de EDA para terem o máximo de desempenho, como é o caso de IoT. Nesse caso, Beacons são um ótimo exemplo da necessidade de basear em eventos, pois imagine gerenciar centenas de dispositivos numa mesma loja e depender de um ciclo request/response para cada um deles. A utilização de recursos nesse caso seria gigantesca, podendo até mesmo inviabilizar o uso. Eventos suprem essa demanda nesse contexto, viabilizando a captura de informações e disparar outras ações.

Business moments e reações real-time

A definição de Business Moments é bastante simples: são acontecimentos específicos dentro de uma jornada que podem representar algum tipo de (re)ação para se aproveitar daquele momento.

Por que são importantes? Simples, podemos ilustrar aqui uma situação mais dramática. Imagine que você é uma Seguradora e que seu maior valor é a agilidade para garantir a saúde e bem estar de seus clientes. Imagine agora que um dos seus maiores clientes sofreu um acidente de carro bastante grave (vamos amenizar a história e dizer que ele não teve ferimentos sérios). Esperar a reação de pessoas para acionarem os serviços de emergências, e só depois acionarem a seguradora pode ser um processo um tanto quanto demorado, não é mesmo?

Agora imagine que o contexto da sua seguradora é digital, e todos os eventos são monitorados. Imagine também que essa seguradora conseguiu disponibilizar um simples sistema integrado ao GPS do smartphone do cliente, aliado a alguns dispositivos IoT, que conseguem medir alguns comportamentos e identificar situações.

No momento do acidente é disparado um evento no sistema da seguradora dizendo que há um acidente. Nesse mesmo instante podemos disparar outros ciclos de ações para garantir uma resposta real-time, como por exemplo uma confirmação se realmente foi um acidente, através de um push-notification no app, ou até mesmo um acionamento dos sistemas de emergência (bombeiros, polícia, etc) informando local, hora e condições do acidente. Nem precisamos entrar no valor que isso entrega para seu cliente, pois reduzimos horas para segundos nesse contexto.

E na vida real, como podemos nos beneficiar do EDA?

O exemplo da seguradora, apesar de bastante factível, ainda sim é direcionado para um determinado nicho de seguradoras, sobretudo no contexto brasileiro. Trazendo esse caso para nossas rotinas, podemos pensar em alguns contextos de utilização, e potenciais ganhos reais de negócio com o uso de eventos e reação real-time.

Um outro ponto necessário de se ter em mente é a complexidade da quantidade de sistemas em qualquer empresa. O simples ato de pagar uma conta, pode acionar uma cadeia de sistemas bastante considerável e dificultar uma resposta imediata. Para esclarecer um pouco sobre isso, temos esse artigo bem bacana sobre normas Event Driven .

O setor de pagamentos é um exemplo claro

Quando falamos de pagamentos estamos falando de tempo. Isso mesmo, a ação de realizar uma transação monetária tem mais a ver com tempo do que com dinheiro especificamente. Por que? Simples, hoje a expectativa é ter tudo em tempo real. Ninguém mais quer “esperar até a confirmação do pagamento”, ela tem que ser rápida, do contrário, você não está entregando valor. Experimente ouvir seu cliente que ficou duas ou três horas esperando a confirmação de uma compra online no cartão de crédito. Certamente nesse tempo ele já acionou o suporte da sua empresa (e gerou mais custos).

Neste momento você deve estar pensando que isso pode ser resolvido com outras tecnologias. Porém, vamos pensar no grau de complexidade quando temos diversos outros sistemas que precisam capturar essa informação (bancos, adquirentes, marketplaces, ERP etc). Aqui nesse ponto podemos ver a viabilidade de Events Notifications, e como podemos equalizar todas as ocorrências através de uma única chamada. Basicamente, no ato de uma compra o(s) evento(s) é(são) disparado(s) e apenas os sistemas interessados em cada tipo de evento serão acionados, disparando um GET para receber tais informações.

Agora pense que cada um desses sistemas pode se aproveitar desses momentos para direcionar ações mais específicas para seu cliente, seja uma rápida confirmação de compra, ou oferta de produtos e promoções que estejam diretamente relacionados com esse evento, sendo mais certeiro e oferecendo uma experiência melhor para seu cliente. Além disso, gera uma dependência menor de ações de remarketing, que podem ser custosas e invasivas para o seu consumidor.  

Como a Sensedia pode ajudar a permitir uma arquitetura Event Driven

O Sensedia Events Hub ajuda a habilitar uma Arquitetura Orientada a Eventos que possibilita reagir aos Business Moments em tempo real e com comunicação assíncrona, trazendo maior agilidade, escalabilidade, resiliência e extensibilidade para a Arquitetura de TI.

Na ferramenta é possível criar todos os fluxos necessários, configurando os eventos de interesse do negócio, além de políticas e rotinas com publishers e subscribers. Nesse ponto, é importante se atentar para a possibilidade da configuração das políticas de segurança nos disparos de mensagens, ações de resposta e retentativas, caso haja algum tipo de falha no recebimento do evento. Todas essas rotinas são facilitadas com a mesma interface low-code dos produtos da Sensedia, deixando a criação dos fluxos mais intuitiva e poupando esforços de revisão e controle de qualidade, uma vez que podemos estabelecer um padrão dos parâmetros a serem replicados, e garantir que os deploys estejam em conformidade com os requisitos exigidos pelo negócio.

Em conclusão

Uma Arquitetura Orientada a Eventos certamente trará benefícios grandes para a sua empresa que vão além de aproveitar os business moments. Podemos pensar em diminuição de consumo de recursos, agilizar respostas e otimizar experiências para o cliente.

Claramente não são apenas indústrias de Seguros ou Pagamentos que podem se beneficiar. Existem centenas de contextos que monitorar eventos passa a ser excelente opção para ganhos reais de negócio. Imagine os ganhos para setores de Saúde, ou Indústrias com todas as suas automações. As possibilidades são gigantes. Quer saber mais sobre o EDA?

Temos alguns conteúdos que podem ajudá-lo muito nesta jornada.

Event Driven: Acelere seus negócios com respostas em tempo real e uma orientação orientada a eventos

Event Driven Arquitetura, Eventos e APIs Async. WTF?

Entendendo Event Driven

Obrigado pela leitura!