APIs
8
min de leitura
27 de setembro de 2021

5 princípios para integrações modernas no setor público

Hecktor Colombo
Content Creator
Analista de marketing. Especialista em criação de conteúdo para blogs, redes sociais, websites e produtora de textos jornalísticos. Especialista em Marketing e Jornalismo na Estácio de Sá, no Rio de Janeiro.
Mais sobre o autor

Desenvolver sistemas com integrações modernas no setor público, além de trazer benefícios para as equipes de tecnologia dos governos, impactam diretamente a vida da população, ao proporcionar melhorias nas plataformas de uso como sites e aplicativos.

Por isso, a necessidade de evolução dos sistemas legados faz com que o cenário de modernização fique mais desafiador e gere algumas dúvidas sobre o que fazer para ter maior agilidade e escalabilidade nos sistemas.

Primeiro de tudo, um bom ponto de partida é entender como uma transformação tecnológica pode impulsionar e ajudar a gerenciar a vasta quantidade de dados no setor público. Continue lendo este artigo para saber mais.

5 princípios para integrações modernas no setor público 

1. Aplicações Cloud-Native

Pode ser um desafio pensar em migrar de uma estrutura On Premises para Cloud. Porém, na maioria das vezes, as equipes de TI do setor público são mais enxutas e acabam vivendo com maiores dificuldades no dia a dia. Por isso, alguns benefícios são visíveis e imediatos usando a nuvem, como:

  • Economia: De acordo com uma pesquisa da IDC, o custo de operação pode ser reduzido em 64% após a implementação para o ambiente em nuvem. Isso porque os gastos de manutenção do servidor físico são descartados, uma vez que a estrutura em cloud trabalha em servidores e serviços "virtualizados", favorecendo uma equipe menor.
  • Produtividade: Ainda de acordo com a IDC, a integração com o ambiente em nuvem aumenta a capacidade de automação e eficiência nas atividades operacionais e promovem um aumento de produtividade de 41%, permitindo assim mais eficiência na estrutura como um todo.
  • Segurança: Talvez o ponto que gera mais dúvida na hora de migrar para Cloud. Mas fique tranquilo, um ambiente em cloud diminui as chances de perda de dados, pois caso alguma vertente pare de funcionar, existem planos capazes de recuperar as informações de forma rápida. Além disso, essas plataformas em cloud possuem serviços capazes de evitar falhas e vulnerabilidades no sistema, dando ainda mais segurança.

2. Event-Driven Integration

Este deve receber muita atenção, pois pode ser considerado o princípio mais importante. A consequência de adotá-lo traz grandes benefícios como resiliência, agilidade, escalabilidade e extensibilidade. E a principal mudança é que as integrações são em tempo real, ou seja, não é necessário esperar o D-1 para criar um processo batch para realizar a transferência de centenas de registros no modelo em lote.

3. Hybrid Deployments 

Se mudar inteiramente para Cloud não for uma opção viável, seja por requisitos de segurança, ou a dificuldade de migrar sistemas legados, os processos de integração híbrida devem ser executados em diferentes métodos de implantação, sejam eles Multi-Cloud ou On-Premises.

Neste cenário, deve haver componentes específicos para coletar e receber eventos de integração que estejam muito próximos da origem e destino das integrações.

4. Security

Este é um fator chave nas integrações modernas, principalmente por envolver diretamente a proteção de dados pessoais de cidadãos. Afinal, com a possibilidade de rodar em múltiplos ambientes e prover integrações para além das fronteiras da corporação como, por exemplo, a integração com parceiros, os riscos de segurança precisam ser gerenciados. Políticas de autenticação, autorização e proteção contra vulnerabilidades precisam estar em pauta nos desenhos de integração.

5. Real-Time Observability

Outro princípio crucial é a observabilidade em tempo real. Isso significa ter monitoramento e governança sobre todas as integrações e o mais próximo do tempo real. Essa característica implica ter eventos de observação reativos que reagem a eventos de monitoramento, como alertas gerados quando limites permitidos de erros são atingidos. Outro ponto importante é ter rastreabilidade de ponta a ponta, desde a origem da integração até o destino e com bastante detalhes.

Leia também: O setor público e sua necessidade latente de modernizar estruturas

Os benefícios de uso das APIs no setor público

Dentro de uma realidade pública com grande obtenção de dados e gerenciamento dos mesmos, a integração entre sistemas é uma necessidade latente que deve continuar a crescer com o advento das arquiteturas modernas, tais como serviços em nuvem, Microsserviços e sem o uso de servidor.

Melhorar o dia a dia das equipes de TI focadas em governos é essencial para evoluir o produto final e trazer benefícios como redução de custos, maior sentimento de segurança com os dados e aumento da produtividade. E para que tudo isso seja possível, modernizar os processos é o melhor caminho.

Além disso, as APIs podem ser usadas para melhorar os produtos prestados ao cidadão, com um grande potencial de aplicabilidade. No caso, os governos podem investir em portais no qual o cidadão acesse serviços públicos online.

Em outro ponto de vista, o uso das APIs ajudam também na integração dos sistemas internos dos governos, facilitando a organização de dados e evoluindo a rotina de processos que muitas vezes são feitos manualmente.

Em meio a tantas aplicações potenciais de APIs nas esferas governamentais, é impossível não imaginar que outras inovações estão à frente neste campo, e o quanto as integrações modernas no setor público podem impulsionar a qualidade neste segmento.


Você gostaria de saber mais sobre a oferta da Sensedia para o setor público? Clique aqui para falar com um de nossos especialistas.

Obrigado pela leitura!